Candidato ‘surta’ e foge da sala com prova do Enem

 

Candidato 'surta' e foge da sala com prova do Enem

Um candidato que participava do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) fugiu com o caderno de provas, no domingo (5), antes do horário permitido, em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o jovem “surtou” depois de pedir aos aplicadores explicação para uma das questões.

Conforme nota enviada pelo Inep, o fato ocorreu por volta de 17h05, mais de uma hora antes do horário em que era permitido sair da sala de aplicação com o caderno de provas – 18h30. O órgão afirmou que o caso configura um “descumprimento das regras do edital” e não caracteriza vazamento.

“O candidato surtou por conta de uma questão, queria que os aplicadores explicassem o quesito. Ao ser levado para a coordenação, insistiu na explicação. No momento que foi informado que seria eliminado, fugiu com a prova e com o cartão resposta”, diz o comunicado.

As provas começaram pontualmente às 13h30, meia hora após o fechamento dos portões, às 13h. A aplicação do exame foi até as 19h, por conta da redação.

Brasil traça ações para barrar fake news nas eleições de 2018

Brasil traça ações para barrar fake news nas eleições de 2018Foto: Reprodução

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) prepara uma força-tarefa para combater a disseminação de “fake news” nas disputas do próximo ano. A proliferação de notícias falsas e a atuação de robôs na internet também estão em discussão no Exército, na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e na Polícia Federal.

O objetivo é evitar o impacto negativo de mentiras nas eleições, a exemplo do que ocorreu nas campanhas americanas e francesas, de Hillary Clinton e Emmanuel Macron.

O tema é visto com preocupação por integrantes do governo e TSE. Funcionários do tribunal já se reuniram com representantes do Google e Facebook para elaborar estratégias.

O Ministério da Defesa, conforme antecipado pela coluna Direto da Fonte, vai auxiliar a corte no combate aos crimes eleitorais cometidos por organizações e também relativos ao ciberespaço.

“É da maior importância essa questão dos crimes cibernéticos relativos a eleição e resultados eleitorais”, afirmou o ministro Raul Jungmann à reportagem.

“Nosso papel, por meio do Centro de Defesa Cibernética do Exército, com o apoio da PF, da Abin e de outros órgãos, é apoiar o TSE, porque o tribunal não tem pessoal para cuidar de tudo isso”, disse Jungmann.

Embora em menor escala, em 2014 a corrida eleitoral já havia sido influenciada pelas notícias falsas. Boatos sobre o fim do programa Bolsa Família atingiram a então presidente Dilma Rousseff, levando centenas de beneficiários a agências da Caixa Econômica Federal. Na época, a PF concluiu que o boato “foi espontâneo”, “não havendo como afirmar que apenas uma pessoa ou um grupo os tenha causado”.

De lá para cá, o uso de redes sociais e aplicativos se intensificou no País, o que potencializa o surgimento de novos casos, na avaliação de integrantes do TSE ouvidos pela reportagem. Para um ministro, a corte está “navegando em um mar sem bússola” na tentativa de encontrar instrumentos para frear a disseminação das fake news.

A reforma política aprovada pelo Congresso Nacional impôs ao TSE a missão de regulamentar uma série de questões relacionadas à propaganda eleitoral, como a veiculação de conteúdos eleitorais na internet e o uso de ferramentas digitais.

A legislação permite que, a pedido do candidato, partido ou coligação, a Justiça Eleitoral determine a suspensão do acesso a conteúdos que violem disposições legais. Também barra a veiculação de conteúdos de cunho eleitoral por perfis falsos.

“A linha entre o combate às ‘fake news’ e um eventual cerceamento da liberdade de expressão é muito tênue. Há notícias dadas que são obviamente falsas e outras que estão numa área cinzenta. Por isso que acredito muito mais no trabalho da sociedade para combater essas fake news, em parceira com a imprensa. A gente combate essa guerra de informação com mais informação e não só com leis”, disse Pablo Cerdeira, coordenador do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV Direito Rio.

SistemaA reportagem apurou que, em reunião na quinta-feira passada, técnicos do TSE ouviram de representantes do Google e Facebook o compromisso de cumprir decisões judiciais contra conteúdos ofensivos. As duas empresas também ficaram de apresentar um sistema que permita que as propagandas na internet informem os responsáveis pela contratação do serviço e o valor pago.

Procurado, o Google informou que não se manifestaria. O Facebook não respondeu até a conclusão desta edição.

Até o fim de novembro, o TSE deverá divulgar um texto-base com as propostas. A corte pretende realizar audiências públicas, antes de concluir a redação final da resolução, que será fechada até março. O vice-presidente do TSE, ministro Luiz Fux, coordena os trabalhos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Desemprego no Brasil é de 12,4% e atinge 13 milhões, revela IBGE

 

Dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelam que o desemprego no Brasil foi de 12,4%, em média, no trimestre de julho a setembro. Em relação ao trimestre passado a taxa caiu (13%), mas em relação ao mesmo trimestre do ano

Ainda segundo o IBGE, o número de desempregados no Brasil de julho a setembro foi de 13 milhões de pessoas. Isso representa uma melhora em relação ao trimestre anterior, com queda de 3,9% (menos 524 mil pessoas). Na comparação com o mesmo período de 2016, porém, são milhão 939 mil pessoas a mais sem emprego, um aumento de 7,8%.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (31) e fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).

Carteira assinada e informalidade

O número de trabalhadores com carteira assinada ficou estável comparado ao período anterior: 33,3 milhões de pessoas. Em relação ao mesmo trimestre de 2016, houve queda de 2,4%, com menos 810 mil postos de trabalho com carteira assinada.

No trimestre, houve aumento de 1,8% dos trabalhadores por conta própria, com mais 402 mil pessoas, totalizando 22,9 milhões de pessoas nessa categoria. E foi egistrado crescimento de 288 mil pessoas sem carteira assinada, com um total de 10,9 milhões de ocupados sem carteira no país.

População ocupada

O número de pessoas com trabalho foi de 90,3 milhões entre julho e setembro, aumento de 1,2% em relação ao trimestre anterior, ou 1,1 milhão de pessoas a mais. Em um ano, o total de trabalhadores subiu 1,6%, o que equivale a cerca de 1,5 milhão de pessoas.

Rendimento de R$ 2.115

O rendimento real (ajustado pela inflação) do trabalhador ficou, em média, em R$ 2.115. O valor teve leve alta em relação ao período anterior (R$ 2.108), e também comparado com o mesmo período de 2016 (R$ 2.065). O IBGE considera que houve estabilidade nas duas comparações.

Comparações

No trimestre de julho a setembro de 2017, a taxa de desemprego foi de 12,4%:

* no período de abril a junho de 2017, havia sido de 13%

* no trimestre de junho a agosto de 2017, havia sido de 12,6%

* no período de julho a setembro de 2016, havia sido de 11,8%.

O número de desempregados foi de 13 milhões:

*no período de abril a junho de 2017, havia sido de 13,5 milhões

* no trimestre de junho a agosto de 2017, havia sido de 13,1 milhões

* no período de julho a setembro de 2016, havia sido de 12 milhões.

Metodologia da pesquisa

Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. São pesquisadas 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios.

O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Fonte: Uol

Conta de luz de novembro já terá nova taxa extra

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou nesta sexta-feira (27) que a bandeira tarifária de novembro também será vermelha em patamar 2 e que o valor cobrado nas contas de luz já virá reajustado para R$ 5 a cada 100 kWh de energia consumidos.
A bandeira vermelha patamar 2 já vigorou durante o mês de outubro, mas com valor menor: R$ 3,50 a cada 100 kWh consumidos. O aumento, de 42,8%, foi aprovado nesta semana pela Aneel.
A justificativa para o reajuste foi que a falta de chuvas e a situação delicada dos reservatórios das hidrelétricas vêm exigindo o uso maior de energia das termelétricas (usinas que geram eletricidade mais cara), mas o fundo formado pelos recursos das bandeiras tarifárias não vinha sendo suficiente para cobrir o custo extra do setor.
Segundo a Aneel, “não houve evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior e, ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício”.
O sistema de bandeiras tarifárias foi criado para sinalizar aos consumidores o custo da produção de energia no país. O objetivo é permitir que os consumidores adotem medidas de economia para evitar que suas contas de luz fiquem mais caras nos momentos em que esse custo está em alta.
Com os reservatórios das usinas hidrelétricas cada vez mais baixos, por causa da estiagem, o sistema elétrico depende cada vez mais de usinas térmicas, que geram energia mais cara pois funcionam por meio da queima de combustíveis.
A cor verde indica que o custo é baixo. A amarela, que ele subiu um pouco. A vermelha, patamar 1, que está alto. E a vermelha, patamar 2, que está muito alto.
Novos valores
Nesta semana, a Aneel elevou de R$ 3,50 para R$ 5,00 a taxa extra cobrada com o acionamento da bandeira vermelha patamar 2. A agência reguladora manteve em R$ 3,00 o valor do patamar 1 da bandeira vermelha. Já a taxa da bandeira amarela caiu pela metade, de R$ 2 para R$ 1 a cada 100 kWh.
Apesar dos novos valores já vigorarem em novembro, a proposta ainda passará por audiência pública e poderá ser alterada.
Além de mudar os valores, a Aneel também alterou o mecanismo de acionamento das bandeiras. Além do custo da energia da usina térmica mais cara, a mudança de cor também levará em consideração o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas.
A alteração foi proposta depois que a Aneel verificou que os atuais valores não têm sido suficientes para pagar pelo custo extra de geração da energia com o uso mais intenso de termelétricas.
Fonte: G1

Prefeitos do Pará se mobilizam para enfrentar a crise econômica

“Os últimos dias tem sido de muito sofrimento. Os municípios estão à beira da falência e a culpa não é nossa e nosso povo é quem paga”. A fala é da prefeita de Primavera, Ana Renata Sousa, que fala sobre o momento de crise vivida pelos municípios. Ela e outros prefeitos e prefeitas estiveram em Belém, nessa segunda-feira (16) para o “Dia de Mobilização e Reação: Municípios em Crise”.

A programação de iniciativa da Federação das Associações dos Municípios do Estado do Pará (Famep), juntamente com as Associações e Consórcios Regionais, incluiu diversas atividades voltadas para chamar a atenção dos poderes Executivo e Legislativo, Federal e Estadual sobre o momento de crise intensa dos municípios.

A primeira ação do dia foi a participação dos gestores municipais na Sessão Especial, realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Pará, sobre as Medidas Provisórias que tramitam no Congresso Nacional acerca do Novo Código de Mineração. Na ocasião, alguns prefeitos de municípios mineradores e a Famep puderam falar sobre a importância de mudar as alíquotas, bem como sobre melhorarias na fiscalização da atividade mineradora, entre outros pontos.

“Acho que é muito importante a nossa luta não é lutar por aumento de alíquota e sim estamos falando de justiça. Entendemos que uma alíquota de 4% permite que União, Estados e municípios possam tocar e cuidar dos impactos que acontecem”, explicou o prefeito de Parauapebas, Darci Lermen.

O presidente da Famep, Xarão Leão, entregou à Comissão Mista um documento com as propostas elaboradas pelo movimento municipalista. A pressão sobre as alterações no Novo Código de Mineração é fundamental nesse momento, porque o tema vai para a votação no Congresso Nacional até o 28 dia de novembro, e se aprovadas as contribuições do movimento municipalista, os municípios poderão ter retorno em breve dessa arrecadação.

Articulação – O segundo momento do Dia de Mobilização foi uma audiência com o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), Márcio Miranda. Prefeitos e prefeitas solicitaram apoio do parlamento Estadual para articulação junto ao Governo do Estado de providências que ajudem os municípios nesse momento de crise.

Além de um apoio, os gestores municipais querem que o Estado assuma algumas despesas estaduais que os municípios acabam tendo que arcar. “Nós também estamos carregando parte do Estado nas nossas costas. Muitos funcionários da Adepará, Polícia Civil, Escolas Estaduais, do Estado, que estão sendo pagos pela nossa folha. Passamos desde janeiro tapando buraco de estradas estaduais, e o combustível que tínhamos para gastar nos ramais nós não temos mais”, declarou o prefeito de Alenquer e vice-presidente da Associação dos Municípios da Calha Norte, Juraci Sousa.

O presidente da Alepa propôs que os gestores montem uma pauta de reinvindicações que ele atuará como mediador junto ao Governo do Estado.

Assembleia Geral – Bloqueios do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), dívidas previdenciárias, despesas com pessoal e projetos de responsabilidades de outros entes federativos. Esses são alguns dos problemas enfrentados pelos municípios paraenses que estão agravando a situação de crise econômica enfrentadas pelas gestões estaduais. Como parte das ações do “Dia de Mobilização e Reação”, os prefeitos se reuniram em uma Assembleia Geral para tentar construir uma estratégia de pressionar por uma ajuda da União.

“Precisamos nos mobilizar em busca de novo Apoio Financeiro dos Municípios (AFM) no valor de R$ 4 bilhões. O pedido de liberação de verba extra foi protocolado pela CNM e FAMEP na presidência da República. Por meio de ofício, e solicitamos ao Executivo que o repasse seja por meio do FPM, nos moldes da medida emergencial feita anteriormente, sem vinculações e sem descontos”, disse o presidente da Famep, Xarão Leão.

Essa será uma das ações dos gestores: pressionar para que Deputados e Senadores aprovem esse AFM, como já foi feito no ano de 2013. Na Assembleia, os gestores municipais definiram que irão solicitar ao Governo do Estado, uma transferência extra de ICMS para os municípios ainda este ano. “Vamos pedir pauta para o Governo do Estado para que se una aos municípios, porque os problemas estão aqui nos municípios e são eles que sofrem com recursos cada vez menores”, afirmou Leão.

Receita – No último ato do dia, os prefeitos e prefeitas seguiram à Superintendência da Receita Federal, para dialogar sobre possibilidades de arrecadação. Foi sugerido aos gestores que façam a adesão imediata a Rede Sim, pela qual a Receita Federal poderá ajudar a administração a conhecer as empresas existentes na cidade e aplicar a justiça fiscal.

Em poucos meses, as gestões poderão aumentar a arrecadação sem penalizar a população. “Há muitas questões em que as parcerias da Receita Federal com os municípios, com trocas de informação, para que o prefeito possa construir um modelo de que as receitas próprias dos municípios possam ter um significado maior”, disse o superintendente adjunto da Receita Federal no Pará, Marcos Aurélio Antunes.

Piauiense morre ao cair de torre de linha de transmissão no Pará

José Iran era casado e pai de dois filhos.
Na tarde desta segunda-feira (23/10), o piauiense José Iran de Castro, 30 anos, morreu ao cair de uma torre de linha de transmissão, durante o trabalho no Estado do Pará. A vítima era natural de Paulistana.
Segundo informações divulgadas pelo Portal FN Notícias, o irmão da vítima relatou que o acidente aconteceu no momento que José estava no alto de uma torre. O cinto de segurança teria quebrado ou se desprendido e ele caiu. A vítima morreu no local.
Fonte: FN Notícias 

CNM divulga mídia esclarecendo o porquê da crise nos municípios

Confederação Nacional de Municípios – CNM está divulgando um vídeo no qual esclarece o porquê da crise que afeta os municípios brasileiros.

A situação é gravíssima, mas a entidade no final da mensagem aponta uma solução para a crise que passa por uma ação de ajuda do Governo Federal.

Segundo a CNM, do montante de impostos arrecadados nos 5578 municípios do País, apenas 19% retornam a municipalidade, o restante vai para estados (35%) e a maior parte para União (50%).

De 1988 para cá uma grande complexidade de prestação de serviços à população, que antes eram executados pelos Estados e pelo Governo Federal foram municipalizadas. Por outro lado, não houve uma recompensação financeira aos municípios que tiveram suas responsabilidades aumentadas.

O que a União repassa é muito menos do que o município realmente gasta com a prestação do serviço público. Aumentou as despesas, mas não aumentaram os repasses.

A previsão para outubro – o mês em curso – é de que as verbas do FPM tenham uma queda de mais de 7% em relação a outubro do ano passado. A CNM defende uma mobilização junto aos nossos parlamentares – deputados federais e senadores que poderiam avançar com a pauta municipalista – no sentido de que o Governo Federal socorra os municípios com uma ajuda de 40 bilhões de reais.

Do jeito que está à tendência é ficar pior o que gera instabilidade social e insatisfação popular.

Veja abaixo o vídeo da CNM:

 

Gás de cozinha deve aumentar R$ 3 a partir de quarta-feira

O preço do gás de cozinha (GLP) nas refinarias será aumentado em 12,9% a partir de quarta-feira (11). O anúncio da Petrobras foi enviado à imprensa nesta terça. Este é o segundo aumento no preço cobrado nas refinarias em menos de um mês.
O preço do GLP é um dos fatores que determinam o preço final do botijão de gás comprado pelo consumidor – além de impostos e margem de lucro. A Petrobras estima que se o reajuste for repassado integralmente pelos distribuidores, ele representará um adicional de R$ 3,09 (cerca de 5,1% do preço final).
A Petrobras justifica o aumento através das variações do produto no mercado internacional. A última alta nas refinarias, que entrou em vigor a partir do dia 26 de setembro, foi de 6,9%.
O preço médio do botijão de 13 quilos pago pelo consumidor no país era de R$ 62,21 na última semana, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Os valores estão em alta há cinco semanas consecutivas.
Em Teresina, o botijão de gás é encontrado por valores que variam de R$ 60 a R$ 70.
Cidadeverde

JACARÉ É CAPTURADO EM BARRAGEM NO MUNICÍPIO DE CARNAUBAL

Um fato bastante inusitado ocorreu na tarde desta segunda (09), no município de Carnaubal. Era por volta das 16h00 quando homens que estavam pescando em uma barragem encontraram um Jacaré medido aproximadamente 1,20m de comprimento.

A barragem é de pequeno porte e fica localizada abaixo da barragem municipal.

O réptil que apesar do tamanho ainda pode ser considerado um filhote, foi capturado por populares que após muito trabalho conseguiram dominar e amarrar o animal.

O Jacaré foi recolhido pelos policiais do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPMA), e será encaminhado para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Fortaleza.

Ibiapaba 24 hora

Vigia ateia fogo e mata seis crianças e fere 40 pessoas em creche pública

O guarda do Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, localizada em Janaúba, no Norte de Minas Gerais, ateou fogo em crianças na manhã desta quinta-feira (5). Pelo menos seis crianças morreram. Segundo informações da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, o guarda ateou fogo no próprio corpo e foi internado em estado grave.
O número de feridos ainda não foi divulgado, mas segundo a assessoria do Hospital Regional de Janaúba, cerca de 40 pessoas, entre crianças e adultos, deram entrada na unidade de Saúde. Alguns com ferimentos graves.
“A Polícia Militar de Janaúba foi acionada para atendimento a uma ocorrência na creche municipal de Janaúba, denominada “Gente Inocente”, localizada no bairro Rio Novo, onde o porteiro da creche surtou e teria jogado álcool em algumas crianças e nele mesmo, ateando fogo, em seguida”, diz um comunicado da PM.
Ainda de acordo com a PM, um avião do governo do Estado vai deixar BH e seguir para Janaúba com o objetivo de buscar os feridos e levá-los até o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, na capital, que é referência em tratamento de queimaduras em Minas. Todos os órgãos de segurança pública estão unidos nas ações de socorro às vítimas.
O Samu informou que as duas unidades da cidade foram enviadas ao local para atender as vítimas. Outras unidades, de cinco cidades diferentes do norte de Minas Gerais, também foram acionadas para prestar socorro.

 

Fonte: G1