Muitas vezes temos que escolher quem transportar

Durante reunião da Comissão de Saúde, Educação e Cultura da Assembleia Legislativa, na manhã desta quinta-feira (7), para debater sobre as denúncias de más condições estruturais e de trabalho do Samu Estadual em Teresina, o coordenador geral do órgão, Gerardo Vasconcelos, falou sobre uma série de problemas pelos quais passa o Samu. Entre eles constam a falta de médicos nos hospitais do interior e não permanência destes na escala de 24h, ambulâncias sem condições estruturais para transporte, entre outros.

“Muitas vezes temos que escolher quem transportar, por uma questão de limitação de recursos e de pessoal. Essa é uma situação trágica para um regulador. Temos enfrentado muitos problemas, uma situação similar a que ocorre em todo o país. Temos adotado uma série de medidas para melhorar, como a realização de ventos para a troca de experiências entre os profissionais e o incentivo com prêmios às bases que mantêm os melhores índices do Samu”, argumenta Gerardo Vasconcelos.

O debate foi provocado pelo deputado estadual Dr. Hélio (PR), presidente da Comissão de Saúde da Alepi, em virtude da divulgação de um relatório de denúncias por parte do Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI). “Queríamos ouvir as entidades para tomarmos algumas providências no sentido de cobrar as autoridades competentes a resolutividade dos problemas. Diante da situação, acredito que devíamos propor uma emenda coletiva entre os deputados para destinarmos à Central de Regulação”, ressalta.

asss.jpg

Renato Leal, representante do Sindicato dos Médicos, afirmou que o Samu foi implantado no Piauí sem a devida integração necessária entre todas as partes que compõem o sistema de saúde, não havendo, por exemplo, treinamento para aqueles que recebem os pacientes na entrada da urgência e emergência. “O Samu leva, mas as vezes não tem quem receba, em outros casos o paciente é encaminhado para o local errado, o que configura uma extrema falta de comunicação e ajuste entre as partes”, diz.

Atualmente o Samu possui 69 bases em todo o Estado, 124 viaturas distribuídas entre o Samu Estadual, a Central de Teresina e Parnaíba. Contudo, 33 veículos estão fora de operação em virtude de problemas mecânicos, seguros e documentação desatualizados ou mesmo sem recursos humanos.

Fonte: Com informações da Assessoria
Publicado Por: Fábio Carvalho

Odontólogos de Parnaíba entram em greve

A categoria está se mobilizando para um grande ato, na próxima segunda-feira (11) na Praça Pública da Graça, localizada no centro da cidade de Parnaíba, em prol das reivindicações.

odontologos

Profissionais de odontologia de Parnaíba paralisam atividades.

Os cirurgiões-dentistas do município de Parnaíba entraram em greve nesta segunda-feira (04). Os profissionais da odontologia, daquela cidade, reivindicam pela efetivação do reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

O presidente do Sindicato dos Odontologistas do Piauí (SOEPI), Sérgio de Sá Pires, informou ao GP1 que a categoria está há seis anos sem receber reajuste salarial. “Nós mandamos três ofícios para o Prefeito. Ele não nos recebeu, não deu proposta, e nem mesmo o Secretário Municipal de Saúde se posicionou, por isso, nós resolvemos entrar em greve por tempo indeterminado. A cidade tem quarenta profissionais, deixamos o efetivo legal de 30% que é o que exige a lei, e os demais paralisaram as atividades”, afirmou.

A categoria está se mobilizando para um grande ato, na próxima segunda-feira (11) na Praça Pública da Graça, localizada no centro da cidade de Parnaíba, em prol das reivindicações. “Faltam insumos básicos para atendimento, os postos de saúde estão com mofo nas paredes, os forros estão quebrados, portanto queremos boas condições de trabalho, além do reajuste salarial”, concluiu.

Outro lado

O GP1 procurou o prefeito de Parnaíba, Florentino Alves, mas ele não foi localizado para comentar a respeito da paralisação dos odontólogos da cidade.

Por Renayra de Sá/GP1

Secretaria de Saúde notifica 20 casos suspeitos de H1N1 no Piauí

vacina-H1N1_145x100_acf_croppedA Secretaria de Estado da Saúde informa a notificação de 20 casos suspeitos de Influenza H1N1 em 2016, no Piauí, tendo sido notificado um óbito. Todos os casos estão em investigação, mas confirmados por critério clínico. Para confirmação, as amostras foram encaminhadas para laboratório de referência.

Os casos notificados são de oito municípios do Piauí e um do Maranhão.

Para o tratamento da Influenza, o Estado disponibiliza 7.500 doses de antiviral Oseltamivir, de nome comercial Tamiflu. Havendo suspeita de Influenza H1N1, o paciente é submetido à medicação e ainda é recolhido amostra para exame laboratorial.

Campanha de vacinação

A campanha de vacinação contra a Influenza inicia dia 30 de abril, seguindo até o dia 20 de maio. O Piauí recebe, a partir desta segunda( 4), 732.193 doses, que serão distribuídas para todos os municípios piauienses.

A imunização é voltada para os grupos prioritários: crianças de seis meses a menores de 5 anos, gestantes e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), pessoas com mais de 60 anos, trabalhadores da saúde, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade, bem como doentes crônicos com recomendação médica, pessoas com problemas respiratórios, cardíacos, com baixa imunidade, dentre outros.

Dados Influenza H1N1

Em 2015, foram notificados 30 casos suspeitos de Influenza H1N1, sendo que quatro foram confirmados laboratorialmente. No período, também foi registrado um óbito, de um paciente oriundo do Maranhão.

Os dados foram retificados pela Unidade de Vigilância e Atenção à Saúde, da Secretaria de Estado.

Ministério da Saúde começa a enviar vacina contra gripe aos estados

vacina2-300x199O Ministério da Saúde começa a enviar hoje (1º) aos estados a vacina contra a gripe. A entrega das doses aos municípios, segundo a pasta, é de responsabilidade dos governos estaduais. A campanha nacional de vacinação está prevista para ocorrer de 30 de abril a 20 de maio, mas alguns estados optaram por antecipar o início da imunização em razão de surtos de influenza A (H1N1), conhecida como gripe A.
De acordo com o ministério, nas três primeiras remessas da vacina, a serem enviadas até o dia 15 de abril, os estados vão receber 25,6 milhões de doses, o que corresponde a 48% do total de lotes a serem encaminhados para toda a campanha deste ano. Do montante, 5,7 milhões serão entregues ao estado de São Paulo, onde já foram registradas cerca de 40 mortes atribuídas ao vírus H1N1.
“A partir do recebimento das vacinas, os estados podem definir estratégias de contenção, conforme suas análises de risco, para a vacinação da população-alvo, observando a reserva adequada do produto para a campanha nacional. O cronograma de distribuição aos estados é elaborado de acordo com a entrega da vacina pelo laboratório produtor. As vacinas serão enviadas em seis remessas”, informou o ministério.
A pasta reforçou que, além da imunização, a população deve adotar medidas de prevenção para evitar a infecção por gripe. As ações de maior destaque incluem lavar sempre as mãos; evitar locais com aglomeração de pessoas (que facilitam a transmissão de doenças respiratórias); cobrir a boca com o braço ao tossir ou espirrar; utilizar álcool em gel nas mãos; e, caso julgue necessário, usar máscara de proteção.
“A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza tem como objetivo reduzir as complicações e as internações decorrentes das infecções pelo vírus na população alvo da campanha, como gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, as quais têm mais risco de adoecer”, destacou o ministério.
Fonte: Agência Brasil

Ministério da Saúde divulga cronograma de envio da vacina contra gripe

vacinacaoO Ministério da Saúde esclarece que, a partir do dia 1º de abril, inicia o envio  da vacina contra a influenza de 2016. A entrega aos municípios, por sua vez, é responsabilidade dos estados.

Nas três primeiras remessas (1º a 15 de abril), os estados receberão 25,6 milhões de doses, que corresponde a 48% do total a ser enviado para a campanha deste ano. Desse montante, serão entregues 5,7 milhões de doses para São Paulo.

A partir do recebimento das vacinas, os estados podem definir estratégias de contenção, conforme suas análises de risco, para a vacinação da população-alvo, observando a reserva adequada do produto para a campanha nacional. A Campanha acontece em todo o país do dia 30 de abril a 20 de maio, sendo o dia 30 de mobilização em todo o país.

O cronograma de distribuição aos estados é elaborado de acordo com a entrega da vacina pelo laboratório produtor. As vacinas serão enviadas em seis remessas.

Total de doses enviadas nas duas primeiras entregas (1º a 15 de abril)

REGIÃO                                    DOSES ENVIADAS
Norte 4.174.000
Nordeste  6.028.965
Sudeste 9.987.620
Centro-Oeste 1.828.900
Sul 3.535.280

 

PREVENÇÃO – o Ministério da Saúde reforça que, além da vacinação, a população deve adotar medidas de prevenção para evitar a infecção por influenza. Medidas de higiene, como lavar sempre as mãos e evitar locais com aglomeração de pessoas que facilitam a transmissão de doenças respiratórias, são algumas destas medidas.

MEDICAMENTO – Cabe ressaltar que todos os estados estão abastecidos com o Fosfato de Oseltamivir, medicamento para tratar a doença, que devem  disponibilizá-lo em suas unidades de saúde. É importante que o medicamento seja administrado nas 48 horas do início dos sintomas.

VACINAÇÃO – A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza tem como objetivo reduzir as complicações e as internações decorrentes das infecções pelo vírus na população alvo da campanha, como gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, as quais têm mais risco de adoecer.

No ano passado, a Campanha imunizou 84,3% do público-alvo, ultrapassando a meta de vacinar 80% do público alvo, formado por 49,7 milhões de pessoas consideradas com mais riscos de desenvolver complicações causadas pela doença.

 

Da Agência Saúde

Virose da mosca lota hospitais no PI e aumenta atestados em empresas

downloadEm uma fábrica de confecções mais de 10% apresentaram atestado.
Casos de virose da mosca aumentaram desde o início do ano no Piauí.
A gastroenterite viral, conhecida popularmente como virose da mosca, tem sido um dos principais motivos para os atendimento nos postos de saúde de Teresina. Na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Renascença, na Zona Sudeste, 150 pacientes chegaram a ser atendidos por dia somente com problemas relacionados à virose.

E se a doença tem lotado muitos hospitais e postos de saúde da capital, por outro lado ela tem feito o contrário em algumas empresas. Somente em uma fábrica de confecções de Teresina, mais de 10% dos funcionários apresentaram atestados médicos nos últimos dois meses por conta da virose da mosca.

“A gente tem que se ajustar e os funcionários têm que ajudar uns aos outros para não deixar os pedidos atrasarem. É fazer com que a gente preencha a vaga das pessoas que estão de atestado para dar conta da demanda”, disse o chefe de setor José Barbosa.

As ausências realmente são justificáveis, já que a virose acaba debilitando a pessoa e inviabilizando as atividades no trabalho. Diante do alto número de casos em Teresina, os médicos alertam que é preciso tomar bastante cuidado, pois alguns medicamentos não são indicados de forma alguma, sobretudo os que inibem a diarreia.

“A diarreia é um mecanismo de defesa, que serve para eliminar as toxinas produzidas durante a infecção. Então a gente tem que procurar se hidratar, evitando medicamentos que inibem a diarreia e que não devem ser tomados. Em caso de piora deve procurar o médico para fazer hidratação venosa”, disse o diretor clínico da UPA do Renascença, William Kardec.

CRM do Piauí abre concurso com salário de até R$ 5.524 mais auxílios

medicos-300x219O Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM – PI) anunciou a abertura de novo Concurso Público a fim de preencher três vagas em cargos de nível médio e superior. Os salários variam entre  R$ 1.297,31 a R$ 5.524,73, acrescido de auxílio alimentação no valor de R$ 845,25, auxílio combustível e plano de saúde.

As inscrições devem ser realizadas a partir das 10h do dia 2 de março de 2016 até 4 de abril de 2016 pelo site da organizadora. Como forma de selecionar os profissionais serão realizadas Provas Objetivas, na data provável de 17 de abril de 2016, na cidade de Teresina.

Este Concurso tem validade de dois anos, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período.

Fonte: G1/PI

Sesapi inicia distribuição de 15 mil testes rápidos para detectar a dengue

aedes
Secretaria de Saúde iniciou treinamento de profissionais esta semana.

Após cinco meses sem testes rápidos para detectar a dengue, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) inicia nesta semana a distribuição de 15 mil exames nos hospitais do estado e o treinamento de profissionais das unidades. Segundo o secretário Franscisco Costa, a partir de quinta-feira (3) os kits estarão disponíveis na rede pública de Teresina e nas demais cidades.

“Vamos capacitar as equipes para a realização dos exames até o dia 17 de março. A prioridade são os hospitais regionais e as cidades com maiores taxas de incidência da doença, tendo os dados epidemiológicos como parâmetro”, explicou.

A falta dos kits de teste rápido foi denunciada pelo G1 no dia 24 de fevereiro. Na época, o diretor de Vigilância da Sesapi, Herlon Guimarães, informou que os exames estavam em falta desde outubro de 2015 no estado. Com a situação, os pacientes que chegam ao hospital com a suspeita destas doenças eram obrigados a fazer o exame sorológico comum, o qual leva alguns dias para disponibilizar o resultado.

Agora com a aquisição de novos testes, o secretário de Saúde espera ter um resultado da doença em tempo hábil e reforçar o combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite várias doenças.

“Esse teste rápido para dengue nos dá o diagnóstico em 6 horas, enquanto o normal leva até três dias. Mas vale lembrar que é uma triagem, por isso precisa ter um exame comprobatório que será feito pelo Lacen [Laboratório Central de Saúde Pública do Piauí], através de teste de Elisa ou molecular”, explicou Francisco Costa.

TreinamentoPara manusear os kits, a Secretaria fará treinamento de profissionais em serviços de saúde para teste rápido no diagnóstico de dengue, no período de 1º a 17 de março.

No curso, com carga horária de 16 horas, os alunos treinarão o diagnóstico sorológico das doenças, farão cadastro no Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), coleta de amostras sorológicas, realização de testes e diagnóstico das doenças.

Enfermeiros se reúnem com TJ-PI e Governo para discutir o fim da greve

HEDARepresentantes do Sindicato dos Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem do Piauí (Senatepi), Governo do Piauí e o desembargador  Erivan Lopes,  do Tribunal de Justiça do Piauí pode por fim a greve dos enfermeiros da rede estadual de saúde iniciada no dia quatro deste mês, antes do Carnaval.
O encontro acontece a partir das 9 horas na sede do Tribunal de Justiça do Estado. Segundo João Sérgio de Moura, presidente do Senatepi, são várias as reivindicações da categoria, dentre elas, o reajuste salarial e a regulamentação do pagamento da Gimas, uma gratificação pelas ações realizadas na saúde pública.
A categoria denuncia que o Governo alega não ter recursos para dá o reajuste e pagar a Gimas, mas durante toda a greve contratou pessoas para substituir os profissionais parados, principalmente no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (Heda) em Parnaíba onde o movimento é mais forte.
Greve
A greve dos enfermeiros atinge hospitais regionais de oito cidades do Piauí: Parnaíba, Piripiri, Campo Maior, Floriano, Bom Jesus, Picos, Corrente e Teresina.
Na capital o movimento acontece na Maternidade Evangelina Rosa, Hospital Getúlio Vargas (HGV), Hospital Infantil, Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela, Hospital do Mocambinho, Hospital Areolino de Abreu, Ambulatório do HGV e Hospital do Promorar.
De acordo com o presidente do Sindicato dos Enfermeiros e Técnicos de Enfermagem do Piauí (Senatepi), João Sérgio de Sousa Moura, o movimento foi aprovado por  3.800 trabalhadores da enfermagem, depois de o governo ter cortado metade do valor da insalubridade e não ter cumprido com o reajuste salarial deste ano, que é baseado na inflação e já atinge um acumulado de 17%, em cima das gratificações e salário base.(Portalaz)

Saúde investiga 81 casos suspeitos de microcefalia no Piauí; veja dados

micro1111-300x250eNo Piauí, 81 casos estão sendo investigados, 32 já foram confirmados e 14 foram descartados
Os casos suspeitos de microcefalia em investigação pelo Ministério da Saúde e os estados chegam a 4.107 em todo o país. Os números fazem parte do Informe Epidemiológico de Microcefalia, divulgado nesta terça-feira (23). O boletim aponta, ainda, que 950 notificações já foram descartadas e 583 confirmadas para microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita.
No Piauí, 81 casos estão sendo investigados, 32 já foram confirmados e 14 foram descartados. O total acumulado de casos notificados de 2015 a 2016 no estado do Piauí é de 127.
Os 583 casos confirmados ocorreram em 235 municípios, localizados em 16 unidades da federação: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Rondônia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Já os 950 casos foram descartados por apresentarem exames normais, ou apresentarem microcefalias e/ou alterações no sistema nervoso central por causas não infeciosas.

Cabe esclarecer que o Ministério da Saúde está investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central, informados pelos estados e a possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.
Os 4.107 casos em investigação representam 72,8% do total acumulado de 5.640 casos notificados desde o início das investigações em 22 de outubro de 2015 até 20 de fevereiro de 2016. O total notificado está distribuído em 1.101 municípios de 25 unidades da federação. Amapá e Amazonas são os únicos estados da federação que não tem nenhum registro de casos.
Ao todo, foram notificados 120 óbitos por microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto (natimorto) ou durante a gestação (abortamento ou natimorto). Destes, 30 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 80 continuam em investigação e 10 já foram descartados.
Do total de confirmados, 67 foram notificados por critério laboratorial específico para o vírus Zika. No entanto, o Ministério da Saúde ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês, cujo diagnóstico final foi de microcefalia.
Até o momento, estão com circulação autóctone do vírus Zika 22 unidades da federação. São elas: Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Também houve a confirmação de transmissão do vírus em 29 países nas Américas.

Portal O DIA