Governador admite disputar reeleição em 1ª entrevista à Rádio Cidade Verde

Na estreia da programação jornalística da Rádio Cidade Verde, o governador Wellington Dias (PT) admitiu nesta segunda-feira (6) que 2017 será um “ano desafiador”.  Ao ser entrevistado pelos jornalistas Fenelon Rocha, Joelson Giordani e Elivaldo Barbosa no Acorda Piauí, Wellington Dias falou pela primeira vez sobre a possibilidade de disputar a reeleição e iniciou a conversa falando sobre futebol, que é o tema da enquete de hoje.

 

A pergunta feita aos ouvintes e ao governador: “o senhor acha que os times de futebol do Piauí vão longe?”. Brincando, Wellington Dias mandou uma receita: “o negócio é correr em ziguezague, atacar em direção a trave adversária e só chutar bola indefensável”.

Para o governador, os times piauienses têm “feito bonito”  e conseguiram bons resultados. Ele revelou que ficou animado quando o River representou o Estado nacionalmente no campeonato brasileiro.

Sobre a gestão, Dias admitiu que prevê um ano difícil. “Será um ano desafiador, mas não é falta de modesta, mas é preciso ir na linha que o Piauí já vem adotando”, disse o governador.

Reeleição

Pela primeira vez, o governador falou sobre a possibilidade de disputar à reeleição. Dias admitiu que quer ampliar a base do governo e a novidade é a participação do PMDB na gestão petista. Wellington Dias revelou ainda que atrairá apenas “setores do PMDB”, devido à divergência que existe no partido.

“Uns querem e outros não querem. Queremos o apoio formal do PMDB e  isso acontecerá o mais rápido possível”.

Sobre reeleição, o governador disse que buscará o mesmo time para disputar a eleição de 2018.

“É uma política de confiança. Errar confiando, não fazer de conta. Eu aposto em renovar um mandado e ver os resultados da gestão. A condição para a reeleição também é fortalecer os partidos. Eu estou pedindo que 2018 se discuta em 2018. Meu compromisso é fortalecer os partidos e tenhamos a vitória”.

Capacidade de diálogo
Wellington Dias ressaltou que está sempre buscando o diálogo com todos os setores, pois é uma forma salutar de fazer com que os projetos andem. Ele acredita que a relação com Assembleia Legislativa é bem madura, com uma oposição considerada pequena.

“A gente precisa ter sintonia como outras forças vivas com a Alepi, a Câmara, o Senado, municípios e também trabalhadores empresários. Agradeço nível de maturidade que tem no Piauí, com a oposição também, que tem capacidade de diálogo para conversar com todos […] O que a gente quer é reorganizar o Estado, os programas que o Estado tem, os projetos de Estado na área de educação, saúde, infraestrutura. A minha base, com quem tenho abertura maior faz parte desse compromisso, está comigo neste diálogo, nessa situação desde 2015 e estão comigo os partidos”.

Ele disse que defende um caminho mais “humanista” para a governança, com um olhar para o ser humano como centro de tudo. Também defendeu que a inovação é um ponto chave, sobretudo nos momentos de crise. “É preciso cuidar do ser humano nas suas necessidades básicas […] Para poder crescer, tem que ter inovação”.

 

Geração de emprego

Para o governador, o principal desafio do momento é gerar emprego. “Minha tese é que, em nome do governo, é preciso gerar emprego é regionalizar todas as atividades do Estado. Isso precisa ser impulsionado”.

O governador lembrou da sua busca para conseguir investimentos privados, por acreditar que a combinação de investimentos públicos com privados vai fazer com que economia cresça.

“O estado tem uma receita que circula na economia em aproximadamente R$ 4 milhões. Vamos precisar de juros baixos, cobrando do governo federal, que tem que dar prosseguimento, aceleradamente, ao crescimento da economia. De outro lado vamos trabalhar em nome de gerar emprego, para que economia cresça também. Precisa fazer endividamento, para crescer economia para depois reduzir o endividamento”

De acordo com o governador, a dívida do Piauí diminuiu nos últimos dois anos, em torno de 12%. “Nossa divida que era de 55%, a receita cresceu e economia melhorou e caiu para 43%”

Além disso, o chefe do executivo estadual acredita que as reservas cambiais e a poupança extraordinária são uma saída em momento de crise. Somado a isso, ele defendeu o combate a  sonegação fiscal, porque entende que ela cria desigualdades e atravanca o desenvolvimento. “Todos os países desenvolvidos usam reserva cambial para investimentos”, ressaltou.

Agespisa

Sobre o processo de instalação da subconcessão da Agespisa, Wellington Dias falou que a administração pelo Instituto de Águas é uma parceria para benéficio do estado, que necessita e vai ter R$ 1,7 bilhões para investir na ampliação e modernização o sistema de água.

“O resultado será a regularização, ampliação e modernização do sistema de abastecimento de água, e vai dar o serviço para quem não tem. Serão R$ 1,7 bilhões circulando na economia”.

 

 

Flash Yala Sena e Lyza Freitas

Corpo de Bombeiros orienta população sobre tremores de terra

Reunião sobre o abalo Sísmico em Teresina. (Foto:Jorge Henrique Bastos)

Um dia após o abalo sísmico sentido na capital Teresina e em cidades da região Entre Rios, o Comando Geral do Corpo de Bombeiros do Piauí divulgou balanço das operações de vistoria técnica. Não foram identificados prédios com danos estruturais causados pelo tremor. Baseada em imagens de aglomerações de pessoas e nas chamadas de ocorrência durante o terremoto, as autoridades estaduais de segurança avaliaram que por pouco não houve situação de pânico, o que contribuiu para a não ocorrência de vítimas.

De acordo com o major José Veloso, relações públicas do Corpo de Bombeiros, as diligências de segurança nos prédios deverão ser concluídas ainda nesta quarta-feira (04). “A nossa conclusão será tranquilizar as pessoas quanto às condições de segurança dos prédios. Hoje, queremos encerrar todas as vistoriais. A orientação é evitar situação de pânico”, explica o major.

Reunião no palácio Karnak sobre o abalo Sísmico em Teresina.( Foto: João Allbert)

Em resposta imediata ao inusitado fenômeno natural, o Corpo de Bombeiros do Estado tem diligenciado equipes para vistoria técnica de prédios públicos e privados da capital. O procedimento inicial recomendado foi evacuação dos prédios que agora passam por vistorias de segurança. Até agora nenhuma estrutura física foi identificada com danos consequentes do tremor que em Teresina atingiu, segundo os órgãos especializados, 4,5 graus de magnitude tendo como epicentro a cidade de Belágua, no interior do Maranhão, a 230 km da capital piauiense.

Ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, o comportamento da população foi positivo considerando as possibilidades de acidentes e a falta de conhecimento que se tem a respeito. “A população, apesar de não termos histórico de terremotos no nosso estado, teve um bom comportamento. Gerou-se certo desconforto inicialmente, algumas pessoas por pouco não entraram em pânico, mas a avaliação foi positiva. Não houve casos de acidentes ou de pessoas tendo que ser atendidas por ambulâncias”, relata o major Veloso.

Para os Bombeiros, a prudência e a calma razoáveis da população que sentiu o abalo garantiu a segurança e a não ocorrência de vítimas e danos materiais. A corporação alerta que o estado de pânico e o tumulto são perigosos e podem gerar acidentes e vítimas fatais. “A condição, se houver a necessidade, e em qualquer situação de evacuação de um prédio, quer seja numa situação dessa de terremoto quer seja numa situação e incêndio ou de um evento adverso, é de estar ciente, de fazer as coisas de maneira consciente e controlada. Quem estiver no prédio deve se direcionar à saída o mais rápido e com a maior calma possível para evitar a correria. Não é aconselhável, por exemplo, querer ultrapassar uma outra pessoa no meio de uma escada, isso pode gerar desequilíbrio e queda”, informa Veloso.

Apesar das informações técnicas apontarem para a não reincidência de tremores, o Corpo de Bombeiros reforça a necessidade de calma e seguridade. O medo e o desespero na hora de evacuar, em caso de novo tremor, podem gerar vítimas. “Existe um limite muito tênue entre você sair rápido e sair em desespero. Porque sair rápido é uma questão de segurança. Agora quando se percebe que há certo pânico, certo tumulto ou correria isso pode causar, para alguma pessoa que venha a cair, um efeito dominó, podendo acabar com a queda e o atropelo de outras pessoas”, alerta o bombeiro.
Tremor

Reunião no palácio Karnak sobre o abalo Sísmico em Teresina.( Foto: João Allbert)

No início da manhã dessa terça-feira (03), um abalo sísmico que durou por volta de 15 minutos atingiu a cidade de Teresina e localidades piauienses vizinhas como União, Altos e José de Freitas. Segundo confirmou o coordenador da Defesa Civil, Vitorino Tavares, o epicentro do terremoto foi no Norte da cidade de Várzea Grande, no Maranhão, que fica localizada a 230 km de Teresina e 90 km da capital do Maranhão, São Luís. O tremor percorreu um raio de mais de 300 km e foi sentido também em cidades maranhenses próximas, como Caxias e Timon. Não foram registradas vítimas nem outros danos consideráveis, como se espera de abalos sísmicos desta magnitude.

Orientações gerais
Em casos de tremores, incêndios ou demais acidentes em prédios que exijam evacuação, para manter-lhes protegidas, as autoridades de segurança orientam que as pessoas caminhem para a saída com pressa, mas sem correria e nem atropelos, e que não empurrem umas às outras. Orientações simples na hora de evacuar como retirar calçados de salto, para uma locomoção mais rápida, e manter o foco e seriedade devem ser seguidas para maior segurança de quem quer encontrar um local seguro para abrigo

Governo divulga tabela de pagamento para 2017

tabela-gov-piaui

Tabela de Pagamento 2017 (Foto:Divulgação Sefaz)

O Governo do Piauí anunciou nesta sexta-feira (23), a tabela de pagamento do servidor público para o ano de 2017. O cronograma é semelhante ao de 2016 com o último dia de pagamento variando durante o ano entre os dias 11 e 13.
Além da tabela mensal, o Governo do Piauí também divulgou o cronograma de pagamento da 2ª parcela do 13º salário, já que a primeira é paga no aniversário do servidor.
Quem ganha até R$ 1.200 receberá o salário no dia 18 de dezembro. As demais faixas serão pagas nos dias 19 e 20 de dezembro.

Fonte: Ascom Sefaz

Vizinhos não desconfiavam que sítio era usado por ladrões de banco;veja

Os moradores vizinhos ao sítio localizado a 100 metros da PI-113, próximo a localidade Palmeira e a 13 km da cidade de José de Freitas, não desconfiavam que lá era abrigo de uma das maiores quadrilhas de assaltos do Piauí. Policiais do Greco e do Bope desarticularam a ação dos criminosos especializados em assaltos a bancos, carros fortes e explosão de caixas eletrônicos..

No confronto que os policiais tiveram com os integrantes da quadrilha no início da tarde do último sábado (24/12) morreram dois assaltantes e dois foram presos. Segundo um morador da região que pediu sigilo do seu nome, o sítio antes de ser adquirido pela quadrilha era ocupado por um pernambucano que ao chegar ao local realizava bastantes gastos e depois ele desapareceu.

 

De acordo ainda com informações dos moradores das proximidades do sítio, após a quadrilha assumir o local, mandou arrumar o portão que fica na margem da PI-113 que dá acesso ao referido sítio. Antes, o portão era mais simples.

27-12-2016-stio na pi-113 proximo a palmeira em jos de freitas onde o greco e o bop mataram 2 assaltantes prenderam dois e encontraram arsenal de armas assaltavam carros fortes e bancos 1.jpg

No confronto com os policiais civis do Greco e policiais militares do Bope, no sítio que fica entre as localidades Palmeira e Cruizinha, entre as cidades de José de Freitas e Teresina, morreram os assaltantes identificados por José Carlos da Silva, vulgo “Bara“, que era um dos chefes da quadrilha e Francisco Oliveira, conhecido como “Chico”, ambos já com passagens pela polícia, acusados de assaltos.

Na operação, foram presos no sítio no município de José de Freitas, os acusados Alexandre Martins Braz e Luiz Carlos Rodrigues de Oliveira.

Os policiais apreenderam no referido sítio que está com placa com anúncio de venda, três carros roubados, quatro fuzis, três submetralhadoras, três pistolas e dois revólveres, além de cerca de 30 bananas de dinamites e equipamentos para explosões de cofres. Os carros apreendidos foram um Renault Duster, um Toyota Corola e uma picape Toyota Hilux.

– Suspeitos de assalto a bancos foram presos
WhatsApp Image 2016-12-24 at 18.36.26.jpeg

A polícia agora procura outros quatro integrantes do bando, sendo um do Maranhão, um do Rio Grande do Norte e dois do Estado de Pernambuco. As investigações que desbaratou a quadrilha estão sendo conduzidas pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado no Piauí (Greco) que é coordenado pelo delegado Carlos César Camelo.

Segundo o Secretário de Segurança Pública do Piauí, deputado federal Fábio Abreu, o grupo é suspeito de realizar um assalto a um carro forte na BR-316, em Campo Maior-PI, no dia 23 de novembro deste ano; um assalto a um carro forte em Coelho Neto-MA, no dia 1º de novembro deste ano; a explosão de caixas eletrônicos no município de Demerval Lobão-PI, no dia 16 de dezembro de 2016, além de outros ataques a agências bancárias em outros municípios dos Estados do Piauí e Maranhão.

WhatsApp Image 2016-12-24 at 18.29.59.jpeg

180 graus

Efeitos da PEC podem deixar de existir em 3 anos, diz líder do governo

O líder do governo na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), deputado estadual João de Deus, estima que os efeitos da PEC que limita os gastos públicos devem deixar de ser sentidos em até 3 anos. Isso será possível graças a uma emenda do governador Wellington Dias (PT) apresentada hoje. A matéria foi aprovada nesta segunda-feira (26) com 24 votos a favor 24 e uma abstenção. Cinco parlamentares faltaram à sessão.

“Fizemos uma emenda que o efeito de 10 anos pode ser reduzido para dois ou 3 anos se a gente atingir a meta da receita de 10% da Receita Corrente Líquida. Em dois anos o governo avalia que chega aos 10% e acaba os efeitos da PEC”, explicou o deputado durante entrevista ao Jornal do Piauí.

O petista voltou a dizer que o projeto não é uma reprodução da PEC nacional. “A PEC nacional não fala em investimentos. Fala de contenção de gastos, mas não fala em investimentos. Aqui não, a meta é aumentar a capacidade de investimentos. O investimento é o que vai fazer a economia se movimentar e assim a gente possa manter o nível de arrecadação”, disse.

João de Deus ressalta que o Piauí cresce cerca de 7% ao ano e volta a destacar que o Estado não congelará salários e deixará de fazer concurso. “Aqui nós estamos deixando para correção salarial uma margem a mais. O Piauí vem crescendo em média 7%. O que vai dizer se tem reajuste salarial é a receita do Estado. Não está proibido concurso público. Pode ser feita substituição e em caso de vacância, a reposição”, declarou, destacando que a PEC abrange todos os poderes.

“A PEC abrange todos os poderes. Esse é o sentido maior da PEC. Limite de gastos para todo mundo”, concluiu.

Da Redação
redacao@cidadeverde.com

Deputados querem discutir PEC somente em janeiro

O deputado João de Deus (PT) informou em discurso na tribuna que o governador Wellington Dias retornará de viagem ao exterior, e que encaminhará, por escrito, a solução para a aprovação da PEC dos gastos. Em apartes, membros da oposição sugeriram que o governador possa destinar mais tempo para a discussão da PEC, já que o governo federal afirmou que o tempo pode ser de até quatro meses.

Em seu discurso, o deputado João de Deus voltou a condenar a postura de alguns manifestantes, muitos dos quais armados na manifestação de quarta-feira. Ele desmentiu afirmações de manifestantes nas redes sociais, de que a PEC suspende concursos e congela salários por dez anos. Ele disse que o governo hoje tem uma tabela anual de pagamento.

O deputado Rubem Martins (PSB) disse que lamentava a situação vivida no dia anterior, o que poderia ter sido pior. Ele lembrou que o governo federal diz que os estados podem debater suas PECs durante até quatro meses. O deputado João de Deus chegou a defender o comandante da PM e o secretário de Segurança das críticas por não terem evitado a violência da manifestação, por eles não terem sido solicitados a comparecer à Assembleia.

Deputado João de Deus (PT) Foto: Reprodução

O presidente Themístocles Filho disse que não solicitou formalmente, mas que foram feitas ligações. O deputado Cícero Magalhães (PT) disse que pediu pessoalmente ao comandante da Polícia Militar, durante reunião com a governadora Margarete Coelho, que comparecesse à Assembleia na sessão de quarta-feira, e que lá ele disse que não iria conter os coronéis.

O deputado Robert Rios (PDT) ofereceu aparte para negar que tivesse pedido ao governador a exoneração do comandante da Polícia Militar, conforme ele informou ao portal GP1. “Fazer esse pedido seria desconhecer a atribuição do governador para nomear e exonerar seus auxiliares”, frisou.

Atos de vandalismo não impedem votação de 32 matérias pela Assembleia

Os atos de vandalismo, ameaças e agressões praticadas contra os parlamentares e autoridades do Executivo, Judiciário, Ministério público, Defensoria pública e Tribunal de Contas do Estado, que estavam reunidos no gabinete do presidente da Assembleia Legislativa, Themístocles Filho, não intimidaram o Legislativo. Havia 25 deputados em plenário durante a sessão desta quarta-feira (21), iniciada às 12h50, quando foram aprovadas em primeira e segunda votações 32 matérias constantes da pauta.

Foram 13 projetos de lei propostos por deputados, 12 projetos de autoria do Executivo, três do Tribunal de Justiça, dois do Ministério Público Estadual e um do Tribunal de Contas do Estado. Entre as proposta aprovadas havia dois projetos de lei complementar – um do MPE e outro do TJ-PI.

Entre as propostas dos deputados, foram aprovadas a criação do Sistema de Informação e Integração (Sinfor) entre os órgãos de segurança pública no Estado, proposto pelo deputado Antonio Félix (PSD); a criação do Guia Eletrônico da Rede Estadual de Enfrentamento à Violência contra a Mulher (Rubem Martins, PSB) a definição de um horário para cobranças de débitos via telefone no âmbito do Estado do Piauí (Edson Ferreira, PSD); a colocação de placas indicativas pela operadores de telefonia nas entradas das cidades (Flora Izabel, PT); e a vedação da cobrança da taxa de orçamento para instalação e manutenção de equipamentos com garantias pelas oficinas e assistências técnicas autorizadas.

Do Executivo, destaca-se a aprovação da implantação do Sistema Integrado de Administração Financeira do Estado (Siafi); a criação do Cadastro Estadual de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Pesquisa, Lavra, Exploração e Aproveitamento de Recursos Minerais; a regulamentação do Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Estado da Fazenda.

Foram votados ainda a criação do Sistema Estadual de Juizados Especiais, Civis e Criminais e da Fazenda Pública e as alterações do Plano de Carreiras e Remuneração dos Servidores do Judiciário; duas alterações na Lei Orgânica do Ministério Público Estadual e a elevação dos valores das gratificações dos policiais militares que integram o Pelotão Especial de Segurança do Tribunal de Contas do Estado.

Restaram apenas as materias que fazem parte do ajuste fiscal proposto pelo Executivo, que vai depender da decisão do governador Wellington Dias, após retornar da missão oficial à Holanda, e  o Orçamento do Estado para 2017.

– See more at: http://www.jornaldacidadepi.com.br/detalhe.php?n=13899&e=7#sthash.pchAgMI1.dpuf

Prefeito eleito de Santa Cruz anuncia festa de posse em Teresina

O ano de 2016 certamente entra para o calendário histórico como um dos mais críticos do Brasil. O reflexo das crises econômica e política tem espelhado no Piauí nestes dois últimos dois dias. Com a tensão da votação das PECs dos Gastos e dos Promotores, a sociedade civil organizada, em enfrentamento aos poderes, mostra que não está feliz com gestores, parlamentares e magistrados de todas as esferas. Porém, parece que no município de Santa Cruz do Piauí, nada disso está acontecendo.

O que o outdoor está fazendo em Teresina, na zona Leste, na Avenida Raul Lopes, sentido UFPI, após a Ponte Estaiada? Você sabe onde fica Santa Cruz do Piauí? Bem distante, caro leitor. Bem depois de Picos. Distante da capital cerca de 306,1 quilômetros. Aproximadamente 4 horas e meia de carro até a sede do município. O anúncio publicitário da festa de posse em Teresina, no mínimo, é um erro de planejamento de marketing, considerando que o público-alvo está equivocado.

Ou seria ostentação? A necessidade de exibir a quem for possível, a quem quiser ver que a posse dos gestores vai acontecer com pompa e circunstância. A dupla de artistas coroados, que certamente não vai de graça, entra nas contas da prefeitura como uma de suas primeiras despesas? Ou tem um bom patrocinador pessoa física, mesmo que seja político?

Nota do blog

Enquanto a União, os Estados Federados e quem tiver juízo estão tomando medidas amargas e impopulares para sanear despesas, apertam os cintos, pregam austeridade com os gastos públicos, no interior do Piauí sobra dinheiro para fazer festa? E anuncia na capital. O Bancada Brasil aguarda o posicionamento dos novos gestores, Barroso Neto (prefeito) e Nego de Boza (vice-prefeito), disponibilizando o espaço para os esclarecimentos. A população merece saber.

A bola da PEC está com o governador

20161221_135907

Depois do tumulto provocado pela presença de vários manifestantes nos corredores da Assembleia, na manhã de hoje (21), os deputados decidiram por maioria não levar a Plenário a PEC nº 03 do Governo do Estado – que realiza o ajuste fiscal.

Por mais de duas horas os parlamentares ficaram presos dentro da ante-sala da presidência da Assembleia discutindo o assunto. Antes já haviam tentado entrar na Sala da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para apreciar a matéria.  Foram momentos de tensão que só acabaram com a chegada da tropa de choque do Bope.

A reunião e votação acabou sendo feita na ante-sala da presidência, mas diante dos problemas causados, principalmente por policiais e manifestantes do PSTU, que chegaram a quebrar uma porta do salão nobre Francisca Trindade e que dá acesso a presidência, os deputados decidiram não levar o projeto a plenário.

Por uma ligação avisaram ao governador Wellington Dias (PT) que a PEC não iria a plenário e que caberia a ele decidir se será levada ou não adiante, os deputados que votarão contra e os que votarão a favor já firmaram suas posições.U09856sdfg”

Deputado João de Deus participa de reunião com o secretário estadual de governo.

O Deputado João de Deus esteve presente, na reunião em que o secretário estadual de Governo, Merlong Solano,participou na Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (19), a fim de esclarecer dúvidas dos deputados a respeito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 33, que institui um novo regime fiscal no Piauí. Para isso, o presidente da Assembleia, deputado Themístocles Filho, reuniu os parlamentares interessados em discutir a pauta, que deverá ser votada pela Comissão de Constituição e Justiça da Casa nessa terça-feira (20).

Merlong destacou que a medida tem por objetivo estabelecer um limite para o aumento das despesas com a máquina pública, que serão corrigidas pela inflação ou por 90% do crescimento da receita corrente líquida do ano anterior, considerando o maior desses dois índices. A proposta visa preservar pelo menos 10% da receita para investimentos.

(Foto: Cristal Sá)

Segundo o secretário, a PEC 33 difere da PEC 55, do governo federal, pois não limita investimentos, e em vez de 20 anos, a PEC 33 tem prazo de 10 anos, podendo ser revisada com 5 anos. Além disso, os gastos não serão regulados apenas pela inflação, mas também pela receita corrente líquida, que tem sido superior à inflação no Piauí nos últimos anos.

Servidores
Durante a parte da manhã, foi realizada uma reunião entre os deputados e os secretários de Governo e de Fazenda, com a presença de representantes da Associação dos Bombeiros Militares, Associação dos Oficiais, e Associação dos Cabos e Soldados, que reivindicam a retirada dos militares da PEC. A categoria teme o congelamento de salários e a não reposição de pessoal.

No entanto, o secretário de Governo esclareceu que a proposta não significa o congelamente de salários e nem impede concursos, apenas que esses fatores serão condicionados pelo crescimento da receita ou índice de inflação do ano anterior.

“É preciso agir agora para evitar situação de completa insolvência, como a que se encontram os estados do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Evitar chegar à condição em que não se consegue pagar salário dos servidores ou realizar serviços”, afirmou Merlong.

No final da tarde, representantes dos delegados da Polícia Civil, policiais militares e professores se reuniram na Assembleia para discutir a proposta novamente.