Ciro Nogueira pode romper com Wellington Dias antes da eleição

                                      As conversas de pé de ouvido não surtiram o efeito desejado
Insatisfeito e reclamando muito pelos corredores do poder, o senador piauiense Ciro Nogueira (PP), pode romper a qualquer momento com o PT do governador do Piauí, Wellington Dias, devido a sua incerteza para indicar o vice na sua chapa para a reeleição ao Palácio de Karnak. 
O senador já tem certeza de que o governador vai escolher o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa do Piauí, Themístocles Filho (PMDB), e esquecer a atual Margarete Coelho, indicada por Ciro.
A insatisfação de Ciro Nogueira e Progressistas vem desde os tempos que o governador recuou da escolha do deputado estadual do PP, Júlio Arcoverde para ocupar uma secretaria de estado, depois de indicá-lo por duas vezes. 
Para o senador, caso aconteça mesmo o rompimento, irá formar chapa para concorrer com Wellington Dias na formação majoritária ao governo do estado tendo o atual prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB,vice, o ex-senador João Vicente Claudino (PTB),e garantir a sua reeleição ao Senado. 
Nas hostes do PT, já ventilam a possibilidade do partido lutar pela reeleição da senadora Regina Sousa e não de Ciro, que foi contra os interesses do partido no impeachment de Dilma Roussef. E isso, o secretário de governo, Merlong Solano (PT), ressaltou a dificuldade de relacionamento de uma parcela do PT em relação ao apoio à candidatura à reeleição do senador Ciro Nogueira Filho.
De acordo com Merlong, o assunto já foi debatido de maneira franca entre o senador e o governador Wellington Dias, mas que esse contratempo ocorre com uma minoria petista. “O quadro de dificuldades do senador Ciro com uma parcela da militância petista já está colocado desde a época do afastamento da [ex] presidente Dilma Rousseff.O governador foi franco com o senador, uma parcela da base petista tem dificuldade de votar nele, entretanto, essa parcela, em nosso entendimento e acredito que no entendimento do próprio senador Ciro, não é uma parcela majoritária”, ponderou o secretário. (Jornaldacidadepi)

Deixe uma resposta