Debate: Números da pesquisa refletem os movimentos das ruas

O Jornal do Piauí promoveu debate sobre resultado da pesquisa divulgada pelo Instituto Amostragem que aponta a intenção de voto dos teresinenses para presidente, governador e senador. Os deputados estaduais Luciano Nunes (PSDB) e João Mádison (PMDB) e o professor Antônio José Medeiros (PT) foram unânimes em afirmar que os números apresentados são um reflexo dos movimentos populares que eclodiram no Brasil nas últimas semanas. 
Fotos: Evelin Santos/cidadeverde.com 
Os três concordam que os sentimentos da população expressados nas ruas precisam ser captado pelos partidos. “Quem tiver mais sintonizado com a voz das ruas, vai ter um êxito, independente da robustez dos partidos”, declarou Luciano Nunes. 
 
A pesquisa também consultou os entrevistados sobre a permanência de Sílvio Mendes no PSDB. Mais de 50% acha que ele não deve trocar de partido. “Nosso sentimento é que ele deve permanecer no partido, no entanto, o PSDB deixou ele inteiramente a vontade para decidir. Seja qual for a sua decisão, nós o apoiaremos”. Sílvio Mendes tem até o final de setembro para se decidir. 

Presidência  
Luciano Nunes, que representa o partido que encomendou a pesquisa, disse que os resultados vão balizar o trabalho do partido nesse ano de 2013. “A pesquisa reflete o momento. As duas candidatas que lideram as pesquisas, a presidente Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV) refletem também a memória que o eleitor tem das últimas eleições. Ficamos satisfeitos com o resultado de Aécio Neves, que não disputou a eleição passada, mas aparece na 3ª colocação”, afirmou o parlamentar dizendo que a pesquisa foi feita após as manifestações e mostram Marina Silva com um percentual bem acima do esperado porque na opinião do deputado ela teria mais identificação com os movimentos de rua. 
Já o sociólogo Antônio José Medeiros (PT) considera que a o Brasil passa por um momento atípico e que Marina Silva é a que mais se beneficia pela situação atual. “Em pesquisa nacional, Dilma continua na frente e no  Nordeste cai bem menos do que no Brasil pela força que tem a política social iniciada no governo Lula. Marina é aquela que mais se beneficia, mas é preciso outras pesquisas para confirmar essa consolidação, além de uma estrutura partidária, tempo de TV e a construção de alianças. Na minha opinião, sua performance não tem consistência”, disse acrescentando ainda que Marina e Dilma tem perfil próximo ao que as ruas querem. “Dilma tem um perfil de ruptura com a política tradicional, que é o que tá sendo questionado nas ruas”. 
Para o deputado João Mádison Nogueira, Dilma vai dar a volta por cima, pois tem um perfil que não pode ser analisado só por conta do momento e sim como um todo. “É ainda muito cedo para fazer um pré-julgamento para a presidência”. O PMDB faz parte da base aliada de Dilma e tem como representante maior o vice-presidente da república, Michel Temer. 
Governo 
O ex-prefeito Sílvio Mendes (PSDB/PI) e o senador Wellington Dias (PT/PI)  lideram a disputa para governo, segundo a pesquisa do Amostragem. O vice-governador, Antônio José Moraes Sousa Filho (PMDB) aparece em 3ª colocação com menos de 4% da intenção de votos. 
Para Luciano Nunes, a pesquisa reflete bem a força do PSDB em Teresina e do nome de Sílvio Mendes. O fato de ter disputado a última eleição ajuda na performamce. O PSDB vê de forma satisfatória os números da pesquisa, porque as forças estão se comportando como historicamente se apontava o cenário”. 
Antônio José Medeiros considera que Teresina reflete o resultado das ultimas eleições municipais onde o PSDB saiu vitorioso, mas não a disputa que está por vir em 2014. “O PT avalia os números com tranquilidade. Wellington Dias teve menos de 15%  dos votos para prefeito. Já para governador ele aparece com um percentual 20% maior. Isto se deve ao espaço consolidado que ele já tinha nas eleições anteriores. Os números não refletem ainda a disputa, e sim a correlação de forças que os partidos tem na capital. Para nós é a reafirmação do discurso que ouvíamos na campanha de que queriam Wellington governador”. Para ele se a pesquisa ntivesse sido  feita no interior do estado, o resultado seria diferente: Dias teria mais de 50% de intenção de votos e Sílvio menos de 30%. “Teresina representa apenas 25% do eleitorado piauiense”. 
O deputado João Mádison afirma que os problemas pessoais do vice-governador com a mãe, que faleceu este ano, atrapalharam o seu desempenho. Zé Filho voltou a percorrer o interior há dois meses. “Estamos aguardando um posicionamento do governador Wilson Martins se permnece no cargo ou sai para disputar vaga no senado. Se assumirmos o governo teremos chances de subir nas pesquisas”.
Ele avalia que os númertos podem mudar de acordo com as coligações que serão feitas para as eleições do ano que vem e que o PMDB não pode deixar de ir a campo. “Temos boa perpectiva de coligações com partidos grandes como PSB, PTB e PSDB. Nesse momento, vejo que o PT está isolado sem perspectiva de coligação”, afirmou Mádison.  
Medeiros rebateu dizendo que as coligações pesam, mas o PT não está sozinho. “É precipitado dizer isso. Essa eleição vai ser diferente. Os partidos não estão entendendo os recados das ruas. Não é mais para onde as lideranças vão, que o povo vai atrás. Para deputado talvez essa lógica funcione, mas para outros cargos não. 
Senado 
O nome do governador Wilson Martins (PSB/PI) aparece em primeiro lugar, seguido do senador João Vicente Claudino (PTB/PI) e do ex-deputado José Maia Filho (DEM). 
Nenhum dos convidados para o debate pertece aos partidos dos candidatos indicados na pesquisa.  
Antônio José Medeiros,disse que o PT provavelmente vai apoiar um candidato ao senado de algum partido com o qual se coligar e frisou a porcentagem de pessoas que afirmaram não saber em quam votar para o senado: 25%.  
João Mádison disse que em qualquer circunstância vota em Wilson Martins para senador. “Quando o governo concluir as obras que estão em andamento na capital, vai refletir na intenção dos votos, com certeza”.  
Sana Moraes
redacao@cidadeverde.com 

Deixe uma resposta