0 Shares 10 Views

‘Na epilepsia, pior que a doença é o preconceito’, afirma neurologista

O que você sabe sobre epilepsia? É justamente porque a maioria de nós desconhece a doença para além daquele preconceito milenar de que é transmissível ou um problema espiritual, que o dia 26 de março tornou-se o Dia Roxo. A data, celebrada no mundo todo como Purple Day, é um convite ao fim do estigma que faz com que 70 milhões de pessoas no mundo tenham medo de se assumirem publicamente como epiléticas.

O preconceito é tanto que, apesar de em 80% dos casos a medicação ser capaz de impedir qualquer crise convulsiva, é comum empresas vetarem o candidato que se assume com a doença (estudos mostram 60% das pessoas com epilepsia escondem sua condição em uma entrevista de emprego) e há escolas que alegam “não ter estrutura suficiente” quando o pai relata o problema do filho.

Divulgação

Li Li Min: neurologista especialista em epilepsia

O Purple Day foi criado em 2009 por Cassidy Megan, uma garota canadense que tinha nove anos na época e que escolheu a cor roxa em referência à flor de lavanda, frequentemente associada ao sentimento de solidão e de isolamento, sensações que causam muito mais sofrimento do que a própria crise convulsiva de quem tem epilepsia.

O fato de Cassidy ser criança é importante, porque aproximadamente 50% dos casos de epilepsia têm início na infância e adolescência. Um porcentual desses casos, inclusive, enquadra-se no diagnóstico de “epilepsia benigna da infância”, um tipo de epilepsia que desaparece na adolescência.

Para falar sobre a epilepsia e o estigma que ainda a cerca, o iG conversou com o neurologista da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Li Li Min. O médico é presidente da Assistência à Saúde de Pacientes com Epilepsia (Aspe) e coordenou no Brasil a Campanha Global Contra Epilepsia da Organização Mundial da Saúde (OMS). Confira:

iG:Mesmo com todos os avanços no tratamento, o grande desafio ainda é quebrar o estigma que ronda a doença?
Li Li Min:
 Sim. Saia perguntando às pessoas se elas conhecem alguém com epilepsia. Quase todas dirão que não. Mas como ninguém conhece se sabemos que há milhões com epilepsia no Brasil? É simples. Porque ninguém conta que tem a doença. O preconceito ainda é tão grande que é melhor se esconder do que se expor e ficar sujeito a uma série de infortúnios, como não ser contratado após dizer na entrevista de emprego que tem epilepsia .

iG: Há estudos que mostram que de 50% a 60% das pessoas com epilepsia escondem isso na entrevista de emprego.
Li Li Min: Isso é por conta da ignorância. Até que ponto isso vai interferir? Isso não é uma forma de discriminação, não é preconceito? Para mim é claro, isso é preconceito puro e simples. Existe um vídeo interessante em que uma funcionária vai contar ao chefe que havia dois candidatos bons para uma determinada vaga. Mas que ela decidiu por um ao saber que o outro tinha epilepsia. Nisso, o chefe responde: “Mas eu tenho epilepsia”! Percebe como há esse estigma de achar que alguém com a doença terá crise todo momento? No Brasil, são três milhões de brasileiros que podem ser barrados. Gente que tem de mentir. A sociedade deve reagir a essa visão, mesmo porque o grupo de pessoas com outro tipo de doença não sofre o mesmo preconceito, como os cardíacos e os diabéticos.

iG: Um preconceito que dura milênios…
Li Li Min: A epilepsia é uma doença bíblica e toda doença bíblica carrega um ranço tremendo. Têm-se relatos muito antigos de que se o escravo tivesse epilepsia, por exemplo, o comprador poderia devolvê-lo. Muitos ainda hoje acreditam que a doença é contagiosa, transmitida por meio da baba do paciente, ou que tem um quê de espiritual, um demônio que incorpora na pessoa. É por esses mitos ainda persistirem que estamos, enquanto sociedade civil organizada, fazendo um esforço para conscientizar tanto o público como as próprias pessoas que têm epilepsia.

iG: É que já existe um autopreconceito, não é?
Li Li Min:
 Exatamente. A questão do preconceito não está só na sociedade, mas também na família e no próprio paciente. No caso de uma crise na infância, por exemplo, mesmo que o diagnóstico seja de uma epilepsia benigna da infância – que poderia até ser acompanhada sem medicação – os pais costumam ser incisivos. O pensamento é: ‘vamos medicar porque eu não quero ver isso nunca mais na minha vida’. Convive-se como se fosse uma bomba relógio.

iG: É o tal do círculo vicioso. Como ninguém diz que tem, a maioria de nós desconhece… Daí, quando alguém tem uma crise na família, cria-se um desespero.
Li Li Min:
 Por isso é importante esclarecer que é uma doença neurológica grave, mas comum. Todas as pessoas que têm um cérebro podem desenvolver uma epilepsia. E os números são animadores: de 70% a 80% das pessoas ficam livres das crises tomando uma medicação que está disponível na rede básica de saúde. E metade dessa população medicada pode ficar livre do medicamento após dois anos porque as crises não vão voltar mais. Toda a questão é como se enxerga: copo meio vazio ou meio cheio.

iG: A rede pública de saúde brasileira está preparada para fazer o diagnóstico e o tratamento adequados?
Li Li Min:
 Esta é uma questão importante. O diagnóstico de epilepsia é essencialmente médico. Os exames complementares não fazem o diagnóstico, só ajudam a mapear o tipo de epilepsia. Na situação atual da rede de saúde brasileira, muitas vezes o paciente não sabe relatar a crise, e o médico também não consegue diagnosticar. A rede precisa se preparar melhor. Porque, quando a epilepsia se manifesta em uma convulsão, é mais fácil. Mas há crises mais sutis, como breves desligamentos – quando a pessoa sai do ar e volta – que muitos médicos não são capazes de perceber. Sem diagnóstico, não tem tratamento.

iG: E ter o remédio disponível também não significa que o tratamento seja fácil, porque cada caso é um caso.
Li Li Min:
 Isso. No mundo todo, há 70 milhões de pessoas com epilepsia, sendo que 85% delas não recebem tratamento adequado. A medicação é o tratamento mais comum. Quando ela não é suficiente, opta-se pelo tratamento cirúrgico, disponível pelo SUS em alguns poucos centros no sul e no sudeste. Mas, mesmo sendo comum, a medicação precisa ser vista com cuidado, já que as doses devem ser individualizadas e existem diferenças entre classes de medicação e a dosagem necessária. Algumas pessoas precisam de doses maiores; outras, com doses baixas, conseguem controlar as crises, mas só o médico consegue ajustá-las de forma a obter o melhor resultado com o melhor controle dos efeitos colaterais.

iG: E, no caso de uma crise, também é preciso saber ajudar…
Li Li Min: Porque a crise realmente assusta, quando a pessoa cai no chão e começa a se debater. Parece que ela está morrendo. Quem está ao lado fica com sentimento de impotência. Por isso, valem algumas dicas: é preciso apenas proteger a cabeça e posicionar a pessoa de lado. De uma maneira geral, a crise dura um ou dois minutos e a pessoa volta ao normal. Se passar disso, é uma situação de urgência e emergência e a pessoa precisa ser removida para receber medicação e interromper a crise. Importante: a pessoa não vai engolir a língua, então não é preciso colocar a mão na boca. Também não se deve dar água e nem remédio e nem restringir os movimentos. Só assim, com diagnóstico preciso, tratamento adequado e reação controlada da população é que podemos pensar num mundo em que, ao imaginar alguém com epilepsia, o cidadão comum não pense em alguém do outro lado do espectro, mas se lembre de Machado de Assis, Dostoievski, Alexandre, o Grande e Dom Pedro 1º. Todos tinham epilepsia.

You may be interested

Jovem é perseguido e assassinado a golpes de faca após desentendimento, em Parnaíba
Mais Cidades
295 Visualizações
Mais Cidades
295 Visualizações

Jovem é perseguido e assassinado a golpes de faca após desentendimento, em Parnaíba

Pedro Guimarães - 25/08/2016

Um jovem foi perseguido, esfaqueado e morto por volta das 22h30 de quarta-feira (24/08) na Rua Professora Rosa Bauer, Bairro João XXIII, em Parnaíba, ao lado da…

Preso debocha: ‘Essa mão não é pra enxada… gosto é de roubar’; assista!
Teresina
239 Visualizações
Teresina
239 Visualizações

Preso debocha: ‘Essa mão não é pra enxada… gosto é de roubar’; assista!

Pedro Guimarães - 27/03/2014

"Roubar é minha profissão, é muito maneiro, é muito massa roubar". É assim que se qualifica um jovem, preso por suspeita de envolvimento em roubos e assaltos,…

Menina volta para casa após morar por 10 anos em hospital de Teresina
Teresina
179 Visualizações
Teresina
179 Visualizações

Menina volta para casa após morar por 10 anos em hospital de Teresina

Pedro Guimarães - 27/03/2014

A pequena Rayssa Ludmila Alves Ferreira do Rego finalmente voltou para casa. Após morar por 10 anos em um hospital de Teresina (PI), a garota, que sofre…

Parnahyba vence o River no Verdinho
Esportes
85 Visualizações
Esportes
85 Visualizações

Parnahyba vence o River no Verdinho

Pedro Guimarães - 27/03/2014

O Parnahyba estreou com vitória sobre o River pelo placar de 2 X 1 nesta quarta-feira no Estádio Dirceu Arcoverde, o “Verdinho”, em partida válida pelo segundo turno do…

Paulo Banana rouba celular e vai em cana mais uma vez.
Superação
77 Visualizações
Superação
77 Visualizações

Paulo Banana rouba celular e vai em cana mais uma vez.

Pedro Guimarães - 27/03/2014

Foi preso nessa manhã de quinta-feira(27/03) por uma guarnição da policia militar comandada pelo sargento Anchieta, o nacional Paulo Roberto Ferreira de Oliveira, de 26 anos, o…

Piauiense tem cabeça esmagada por carro no Amazonas
Superação
126 Visualizações
Superação
126 Visualizações

Piauiense tem cabeça esmagada por carro no Amazonas

Pedro Guimarães - 27/03/2014

O piauiense Eldon José Alves Ferreira, 28 anos, morreu vitima de acidente de trânsito na tarde desta quarta-feira 26 de Março, na cidade de Manaus, capital do…

Veículo desgovernado colide com 5 motocicletas e derruba frente de duas lojas na avenida Pinheiro Machado.
Superação
94 Visualizações
Superação
94 Visualizações

Veículo desgovernado colide com 5 motocicletas e derruba frente de duas lojas na avenida Pinheiro Machado.

Pedro Guimarães - 19/03/2014

Por volta das 16hs de hoje, um veículo Agile de placas NIU 7603-Parnaíba-PI, colidiu com 5 motocicletas após ficar desgovernado, na sequencia derrubou a frente de duas…

Casal é encontrado morto em cômodo de residência no conjunto Colina do Alvorada.
Policial
104 Visualizações
Policial
104 Visualizações

Casal é encontrado morto em cômodo de residência no conjunto Colina do Alvorada.

Pedro Guimarães - 13/03/2014

IML fazendo a remoção dos corpos - Fonte: Portal do Catita O IML fez a remoção por volta das 19hs 30 dessa quinta-feira(13/03), de dois corpos que…

Adolescente que furtou igreja tem o corpo tatuado com os nomes de Deus e Jesus Cristo.
Policial
90 Visualizações
Policial
90 Visualizações

Adolescente que furtou igreja tem o corpo tatuado com os nomes de Deus e Jesus Cristo.

Pedro Guimarães - 06/03/2014

Um adolescente de iniciais F.E. dos S. de 17 anos, furtou nessa madrugada de quinta-feira(06/03) uma mesa de som e uma caixa amplificada da igreja de São…

Cativeiro: Polícia apreende aves silvestres em Parnaíba
Policial
106 Visualizações
Policial
106 Visualizações

Cativeiro: Polícia apreende aves silvestres em Parnaíba

Pedro Guimarães - 25/02/2014

        As gaiolas com os pássaros apreendidos na Central de Flagrantes A Polícia Militar apreendeu dez gaiolas com dez aves silvestres por volta das…

Relâmpagos queimam eletrodomésticos em Parnaíba
Superação
53 Visualizações
Superação
53 Visualizações

Relâmpagos queimam eletrodomésticos em Parnaíba

Pedro Guimarães - 14/02/2014

Moradores do bairro Planto conselheiro Alberto Silva fizeram uma manifestação de protesto na manhã desta sexta-feira (14) devido a queima de eletrodomésticos de suas residências, durante os relâmpagos…

Parnahyba embarca rumo a Floriano onde enfrenta Corisabbá no sábado
Esportes
40 Visualizações
Esportes
40 Visualizações

Parnahyba embarca rumo a Floriano onde enfrenta Corisabbá no sábado

Pedro Guimarães - 07/02/2014

O elenco do Parnahyba Sport Club iniciou a sua viagem rumo a cidade de Floriano, no sul do Piauí, por volta das 10 horas desta sexta-feira (07/02),…

População de Caxingó se revolta e batiza logradouro do município como Rua da vergonha
Caxingó
105 Visualizações
Caxingó
105 Visualizações

População de Caxingó se revolta e batiza logradouro do município como Rua da vergonha

Pedro Guimarães - 21/09/2017

A gestão do Prefeito Washington Luiz (PMDB) está a cada dia pior, a população continua indignada com a falta de ações e serviços de qualidade. O desmando…

Prefeitura de Buriti dos Lopes realiza atendimento para prevenção do câncer de mama
Buriti dos Lopes
40 Visualizações
Buriti dos Lopes
40 Visualizações

Prefeitura de Buriti dos Lopes realiza atendimento para prevenção do câncer de mama

Pedro Guimarães - 21/09/2017

  A Prefeitura de Buriti dos Lopes, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde e em parceria com a Clinica João Silva Filho realizou na manhã da…

Prefeitura inicia a preparação da 10ª edição da Exopofeira de Joaquim Pires
Destaque
21 Visualizações
Destaque
21 Visualizações

Prefeitura inicia a preparação da 10ª edição da Exopofeira de Joaquim Pires

Pedro Guimarães - 21/09/2017

  A Prefeitura de Joaquim Pires iniciou a preparação para a realização da 10º edição da Expofeira. O evento agropecuário já é tradição e reúne inúmeras atividades…

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.