PF e TCU investigarão irregularidades na FMS

Elmano Férrer

A descoberta da irregularidades na compra de medicamentos na Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) levou a Polícia Federal e o Tribunal de Contas da União (TCU) a iniciar uma investigação para elucidar o que, de fato, aconteceu e punir possíveis culpados.
As compras irregulares de medicamentos, denunciadas pelo prefeito Firmino Filho, chegariam somas na ordem de R$ 16 milhões.
Um relatório com todas as irregularidades já se encontra com os federais. Consta até o risco de o Hospital de Urgência de Teresina (HUT) ter ficado sem medicamento, por conta de inadimplência da FMS junto ao fornecedor.
Todas as iregularidades, segundo Firmino Filho, teria sido cometidas na gestão anterior, quando Elmano Férrer era prefeito de Teresina.
Hoje, a Fundação Municipal de Saúde tem um débito de R$ 37 milhões. O atuar gestor suspendeu o pagamento irregular de R$ 16 milhões.
Segundo o presidente da FMS, Luiz Lobão, a prefeitura quer dar transparência ao que está acontecendo e deixará que as entidades investiguem as irregularidades.
Em entrevista ao Notícia da Manhã, Luiz Lobão, afirmou que os problemas foram detectados a partir de depoimentos de funcionários e da cobrança de fornecedores, que estavam sem receber.
No relatório, que será entregue aos órgãos, constam informações sobre quebras de contratos e outras irregularidades. Ainda segundo o gestor, o Hospital de Urgências de Teresina correu risco de ficar sem medicamentos por conta do não pagamento das dívidas.
“Temos um débito de R$ 37 milhões, R$ 16 milhões irregulares teve pagamento suspenso. Nós precisávamos comprar medicamntos em regime de urgência e eles se recusavam e precisamos suprir principalmente o HUT. No momento não está faltando porque entramos em acordo. O prefeito já autorizou através de licitação e não chegou a faltar, mas num futuro de 4 dias iria faltar. Por isso, a compra em regime de urgência”, explicou.

fonte blog do feitosa costa

Deixe uma resposta