Queda na popularidade de Dilma não afastará PMDB, diz Marcelo Castro

O deputado federal pelo Piauí, Marcelo Castro (PMDB), analisou, durante entrevista ao Jornal do Piauí desta quinta-feira (18), os manifestos que ocorreram no Brasil contra a corrupção. Na oportunidade, ele reafirmou presença do seu partido no palanque de Dilma em 2014.
“Por isso [queda de popularidade de Dilma] não. O PMDB não sairá da base da Dilma. Os movimentos de insatisfação generalizada partiram da classe média e de jovens. De certa forma é um movimento mundial”, analisa o parlamentar.
Para o piauiense, a explosão de movimentos foi algo “imprevisível”. Para ele, até grande analistas sociais e políticos se equivocaram ao apostar que a insatisfação da sociedade não iria culminar nos manifestos.
“Muitos saíram com imagem arranhada. Na origem de tudo o quer mais chocou foram as pessoas perceberem que não tem saúde, educação, segurança e as altas despesas do governo com a copa. Quando se gasta muito dinheiro, vem sempre relação com corrupção”, disse.
O parlamentar também revelou que o PMDB vai lutar pela reforma política. Pontos como o fim da reeleição, mais clareza na prestação de contas, fim de financiamento para políticos e sim para os partidos e mandato de 5 anos a todos serão defendidos. 
Na hora que Dilma se recuperar todos vão ver. Ela não tem imagem arranhada. Ela tem imagem de séria, trabalhadora, e ela tem uma avaliação bastante positiva. Se ela não recuperar, o futuro a Deus pertence, mas acredito que ela vai sair bem”, defende. 
Lívio Galeno
liviogaleno@cidadeverde.com

Deixe uma resposta