Vítima de AVC é constrangido ao ser confundido com bêbado

O aposentado Benedito Pinto de Abreu, 65 anos, foi detido por cerca de 3h numa barreira de trânsito em Teresina, acusado de estar dirigindo em estado de embriaguez. A família se revoltou, pois o aposentado é um paciente que teve AVC (Acidente Vascular Cerebral) e sofreu sequelas na fala. Os policiais do Batalhão Rodoviário Estadual, na Santa Maria da Copidi, ao abordar Benedito ignoraram os apelos dele de que tinha problema de saúde. Durante a abordagem, o aposentado chegou a se mijar nas calças

O incidente ocorreu por volta das 20h desta quinta-feira (1º) no posto fiscal da Santa Maria da Copidi. Dois policiais abordaram o aposentado que mora a mil metros do posto. Ao ser parado, Benedito que tem dificuldade de falar, devido a uma disfagia, sequela do AVC, argumentou que estava dentro da lei. Os policiais percebendo a voz alterada o acusou de dirigir embriagado. A acompanhante do aposentado também informou os policiais que ele tinha passado por cirurgia há dois anos e que sua voz foi alterada devido a acidente vascular.  Mesmo com os argumentos dos dois, os policiais detiveram o aposentado e a acompanhante no posto.

Sem bafômetro no posto fiscal, o aposentado teve que esperar outra equipe vir da rua para fazer o teste do bafômetro.  A equipe do Cidadeverde.com chegou ao local por volta das 22h. O aposentado estava aguardando a chegada do subtenente Ricardo para fazer o teste. Por duas vezes, o aposentado foi submetido ao exame e deu negativo. 


O subtenente informou a filha do aposentado, que acompanhava o incidente, de que a polícia tem prerrogativa de abordar qualquer pessoa, em caso suspeito. A universitária Fran Carvalho reclamou que ao chegar no posto os dois policiais se recusaram a dar informações sobre a prisão de seu pai.

“Tenho o direito de saber qual a acusação contra meu pai. Tive que esperar o sub tenente chegar para que a polícia me informasse sobre o ocorrido. A abordagem feita foi agressiva e causou constrangimento”, disse Fran Carvalho.



O aposentado informou ao policial que está há dois anos sem consumir álcool. 
A família fará denúncia na Corregedoria da Polícia Militar e ajuizará ações por danos morais.

Deixe uma resposta